Hospital de Cirurgia | Prof. Dr. Alex Vianey explica causas e tratamento da gordura no fígado
1156
post-template-default,single,single-post,postid-1156,single-format-standard,mkd-core-1.0.1,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,mkd-theme-ver-1.0.1,smooth_scroll,wpb-js-composer js-comp-ver-4.11.2,vc_responsive

Prof. Dr. Alex Vianey explica causas e tratamento da gordura no fígado

Prof. Dr. Alex Vianey explica causas e tratamento da gordura no fígado

“Obesidade e diabetes podem causar acúmulo de gordura no fígado e há o risco do quadro evoluir, em alguns casos, para cirrose. Isto pode acontecer sem que os pacientes consumam álcool. Nos casos mais graves pode até ser necessária a realização de transplante de fígado”, é o que explica o Diretor de Ensino da Fundação de Beneficência Hospital de Cirurgia, professor do curso de medicina da UNIT e da UFS e especialista em problemas do fígado Prof. Dr. Alex Vianey Callado França, para alertar a população sobre as consequências da gordura no fígado.

 

Mesmo que a principal causa da gordura no fígado seja o consumo abusivo de bebidas alcoólicas, Dr. Alex esclarece que “com o aumento do número de pessoas obesas e diabéticas no mundo, tem se observado que a gordura no fígado também vem sendo causada pelo que chamamos de doença hepática gordurosa não alcoólica, que não é ocasionada pelo álcool e sim pela situação metabólica do paciente.” Isto quer dizer que se o indivíduo for portador de síndrome metabólica, estado em que há risco de eventos cardiovasculares como infarto, pode também desenvolver acúmulo de gordura no fígado levando a cirrose sem nunca ter ingerido bebida alcoólica.

 

A síndrome metabólica tem relação direta com eventos cardiovasculares, ou seja, quem adquire tem maior propensão a ter infarto, derrame, trombose nas pernas, insuficiência nos rins, além da possibilidade de levar o paciente também a adquirir gordura no fígado. “Essa observação tem crescido não só no Brasil, como no mundo inteiro. Hoje nos Estados Unidos, por exemplo, a doença hepática gordurosa não alcoólica é a segunda causa de cirrose dos pacientes que estão em fila de espera para o transplante de fígado, à frente mesmo do álcool e da hepatite B. A principal causa ainda continua sendo a hepatite C, mas com as medicações atuais para o tratamento desta infecção, mais de 95% dos pacientes obtém a cura da hepatite. Estima-se que, em breve, a doença gordurosa do fígado ultrapasse a hepatite C como motivo para transplante de fígado nos Estados Unidos”, relata o especialista.

 

É importante diagnosticar se a gordura está causando inflamação e cicatriz no fígado, pois há pacientes em que isso não ocorre. Quando essa gordura começa a inflamar e formar cicatriz no fígado o quadro pode evoluir para uma cirrose. Isso não acontece em todos os casos, por isso é necessária uma avaliação médica detalhada feita pelo Hepatologista, para que seja realizada a análise a partir de exames, métodos ultrassonográficos e pode ainda haver a necessidade de retirar um pequeno fragmento (biópsia) do fígado para a realização de exame microscópico.

 

Dr. Alex reforça que sedentarismo, alimentação desregrada, obesidade, diabetes e falta de exercício físico são os fatores que estão levando a população a ter problemas maiores, não só no fígado, mas também em outros órgãos tal como coração, cérebro, rins e vasos. Quanto ao tratamento, ele explica que existem alguns remédios que podem ser prescritos pelo Hepatologista, mas depende do caso de cada paciente. Contudo, a principal forma de reverter o quadro é através do emagrecimento por meio de dieta, exercícios físicos e controle do diabetes para os pacientes portadores desta doença.

 

E dá ainda um alerta muito importante: “Chá não resolve gordura no fígado, podendo até causar dano ao órgão quando ingeridos em grande quantidade. Vários estudos estão em andamento para identificar os melhores medicamentos para controle da gordura do fígado. Devemos aguardar estas pesquisas para podermos melhor orientar nossos pacientes. A partir da identificação de gordura no fígado pela ultrassonografia, os pacientes devem procurar seu hepatologista para avaliar e identificar os pacientes que têm risco de evoluir para cicatriz e posterior cirrose. Somente assim poderemos evitar complicações futuras”, conclui.